Área de concentração

Sustentabilidade no Cerrado

O Bioma Cerrado, com uma extensão de 2.036.448 km², representa aproximadamente 24% do território nacional. Na região Nordeste, este bioma está presente nos nove estados, em maior proporção na Bahia, Maranhão e no Piauí, abrigando uma grande diversidade de espécies e parte das cabeceiras das principais Bacias Hidrográficas, o que lhe confere importante papel no fornecimento de recursos naturais para as diferentes regiões do território brasileiro.

Contudo, o Cerrado vem sofrendo grandes danos decorrentes do processo desordenado de urbanização e da atividade agropecuária. Nas últimas décadas, através de financiamentos ou de recursos próprios, um grande número de produtores rurais, procedentes principalmente da região sul do país, investiu na expansão da produção de alimentos e fibras, na agroenergia e na pecuária, levando a uma agricultura mecanizada e com uso considerável de insumos agrícolas. Embora, não se despreze os aspectos positivos desses investimentos na geração de renda e na oferta de emprego para a região, a utilização inadequada de recursos hídricos e de solos tem gerado erosão hídrica e eólica, perda de habitats, diminuição da vazão de rios, assoreamento, aumento das queimadas, redução da biodiversidade e geração de resíduos e contaminantes.

Somente na região Oeste da Bahia, aproximadamente 100.000 km² de área, com flora, fauna, recursos hídricos e solo ainda pouco conhecidos, são afetados por essa atividade econômica e pela ocupação urbana. Essa carência de informações sobre o patrimônio natural da região dificulta a realização de ações que permitam a conservação e o uso dos recursos naturais numa concepção mais justa e racional, e que possibilitem a adoção de modelos de desenvolvimento sustentável para o Cerrado.

Não é possível pensar em desenvolvimento da região ignorando as dimensões sociais e as limitações ecológicas existentes, e em função dessa premissa, torna-se necessária e urgente a produção de conhecimento científico sobre o patrimônio natural e cultural (e suas interrelações), a produção de tecnologias sustentáveis, bem como a formação de recursos humanos capazes de atuar na caracterização do Cerrado, na elaboração de estratégias de uso e re-uso de recursos naturais, de aperfeiçoamento de sistemas produtivos, de manejo e de gestão, numa perspectiva interdisciplinar, integrada e que tenha como objetivo um novo perfil de desenvolvimento, com ênfase na conservação dos patrimônios natural e cultural e na sustentabilidade ambiental e socioeconômica.

Considerando este cenário, o programa de pós-graduação em Ciências Ambientais possui duas linhas de pesquisa, as quais são complementares e visam a geração de conhecimentos e tecnologias sustentáveis, com ênfase no Cerrado Nordestino.

Última modificação em Terça, 19 Maio 2015 16:43

Go to top