Apresentação

O Bioma Cerrado, com uma extensão de 2.036.448 km², representa aproximadamente 24% do território nacional. Na região Nordeste, este Bioma está presente nos nove estados, em maior proporção na Bahia, Maranhão e Piauí, abrigando uma grande diversidade de espécies e nascentes das principais bacias hidrográficas do país, o que lhe confere importante papel no fornecimento de recursos naturais para as diferentes regiões do território brasileiro.

O Cerrado, no entanto, vem sofrendo grandes danos decorrentes do processo de urbanização e da atividade agropecuária. Nas últimas décadas, através de projetos governamentais, financiamentos ou recursos próprios, um grande número de produtores rurais investiu, em áreas de Cerrado, na expansão da produção de alimentos e fibras, na agroenergia e na pecuária, levando a uma agricultura mecanizada e com intensivo uso de insumos agrícolas.

Embora não se despreze os aspectos positivos desses investimentos na geração de renda, na oferta de emprego e no desenvolvimento da região, a utilização inadequada de recursos naturais tem gerado impactos negativos ao meio ambiente, como a ocorrência de erosão hídrica e eólica, diminuição da vazão e assoreamento dos rios, queimadas, perda de habitats, redução da biodiversidade e geração de resíduos e contaminantes.

Somente na região Oeste da Bahia, aproximadamente 100.000 km² de área, com flora, fauna, recursos hídricos e solo ainda pouco conhecidos, são afetados por essa atividade econômica e pela ocupação urbana. Essa carência de informações sobre o patrimônio natural da região dificulta a realização de ações que permitam a conservação e o uso dos recursos naturais numa concepção mais racional, e que possibilitem a adoção de modelos de desenvolvimento sustentável para o Cerrado.

Não é possível pensar em desenvolvimento da região ignorando as dimensões sociais e as limitações ecológicas existentes, e em função dessa premissa, torna-se necessária e urgente a produção de conhecimento científico sobre o patrimônio natural e cultural (e suas interrelações), a produção de tecnologias sustentáveis, bem como a formação de recursos humanos capazes de atuar na caracterização do Cerrado, na elaboração de estratégias de uso e reuso de recursos naturais, de aperfeiçoamento de sistemas produtivos, de manejo e de gestão, numa perspectiva interdisciplinar e que tenha como objetivo um novo perfil de desenvolvimento, com ênfase na conservação dos patrimônios natural e cultural e na sustentabilidade ambiental e socioeconômica.

Considerando este cenário, o Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais - PPGCA, da Universidade Federal do Oeste da Bahia - UFOB, localizado no Campus Reitor Edgard Santos, no município de Barreiras, região Oeste do Estado da Bahia, foi criado no ano de 2011.

Desde a sua criação o PPGCA tem exercido grande impacto social na região, fato que pode ser constatado pelo elevado número de inscrições nos seus processos seletivos, que no ano de 2011 foram 143 candidatos; em 2012, 60 candidatos; em 2013, 59 candidatos; em 2014, 62 candidatos; em 2015, 121 candidatos; em 2016, 44 candidatos; e em 2017, 52 candidatos. Os candidatos ao mestrado são procedentes de diferentes municípios baianos e também de outros estados, como Piauí, Goiás, Tocantins, Ceará, São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

É válido ressaltar que os candidatos aprovados são egressos de cursos de graduação de diferentes áreas, como Administração, Agronomia, Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Direito, Economia, Enfermagem, Engenharia de Alimentos, Engenharia Civil, Engenharia Química, Engenharia Sanitária e Ambiental, Fisioterapia, Geografia, Medicina Veterinária, Nutrição, Pedagogia, Psicologia e Química, o que proporciona maior diversidade de pontos de vista na discussão de temas durante as disciplinas, seminários e outras atividades desenvolvidas ao longo do curso.

A diversidade de formações, aliada às características do projeto pedagógico e do quadro docente do PPGCA, possibilita uma formação interdisciplinar dos egressos, que é uma marca determinante do Programa, sendo uma característica presente em suas atividades de ensino, pesquisa, extensão e inovação.

Este princípio norteia as atividades do PPGCA, pois os membros entendem que para compreender a complexidade gerada pelas questões ambientais, nos mais diversos aspectos (físico, social, cultural, econômico e biológico), é preciso uma reformulação do saber e da visão holística e integradora do ambiente, orientadas para os objetivos de um desenvolvimento com base na sustentabilidade ambiental.

Assim, o PPGCA se apresenta como um ambiente profícuo para o crescimento do ensino de pós-graduação na região Nordeste do Brasil, ao formar recursos humanos qualificados para atuarem em diferentes campos de trabalho, bem como ao incentivar a geração de conhecimentos e tecnologias sustentáveis, com ênfase no Cerrado Nordestino, que permitam o uso racional dos recursos naturais da região.

 

Última modificação em Terça, 31 Julho 2018 16:29

Go to top